Sábado, 11 de Julho de 2020
83996891484
Educação Pós

Universidade Federal da Paraíba garante cotas para ingresso em cursos de pós-graduação

Instituição lamenta o ato do Ministério da Educação e afirma que a autonomia universitária continuará validada com a resolução do Consepe

22/06/2020 14h54
177
Por: Redação Fonte: Redação
Universidade Federal da Paraíba garante cotas para ingresso em cursos de pós-graduação

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) informou nessa sexta-fera (19) que as ações afirmativas para ingresso nos cursos de mestrado e doutorado da instituição continuarão em vigor. A UFPB possui resolução interna que destina de 20% a 50% do total de vagas oferecidas pelos programas de pós-graduação para a política de cotas.

O Ministério da Educação (MEC) publicou portaria, na quinta-feira (18), a fim de revogar a portaria normativa nº 13, de 11 de maio de 2016, que orientava sobre a necessidade de reserva de vagas em cursos de pós-graduação stricto sensu para candidatos autodeclarados e oriundos da população negra, povos indígenas, povos e comunidades tradicionais e pessoas com deficiência.

A Resolução 58/2016 do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), órgão deliberativo da UFPB sobre assuntos relativos à estrutura acadêmica, dispõe que os cursos de pós-graduação stricto sensu devem adotar ações afirmativas para a inclusão e a permanência de candidatos autodeclarados negros, indígenas, de comunidades tradicionais e pessoas com deficiência.

De acordo com coordenadora de avaliação dos cursos de pós-graduação da UFPB, professora Márcia Fonseca, a instituição lamenta o ato do Ministério da Educação e afirma que a autonomia universitária continuará validada com a resolução do Consepe.

“Nós lamentamos profundamente a decisão do MEC. Internamente, temos a Resolução 58/2016 do Consepe, que versa sobre ações afirmativas na pós-graduação stricto sensu da UFPB. Com ela, asseguramos as vagas para candidatos autodeclarados e oriundos da população negra, povos indígenas, povos e comunidades tradicionais e pessoas com deficiência”, explica a gestora.

A professora Márcia Fonseca ressalta que a resolução da UFPB está “em vias de ser alterada no Consepe para aprofundar os efeitos da política afirmativa e estendê-los aos cursos lato sensu (especializações)”.

Para a gestora da UFPB, com a decisão do MEC, não deve haver empecilhos e mudanças em relação aos processos seletivos já divulgados e a autonomia das universidades permanecerá.

“Não acredito que haverá modificações. Fizemos uma consultoria com a equipe jurídica da UFPB sobre os efeitos do ato governamental e constatamos a autonomia universitária. Nós temos uma resolução interna que não está revogada. Portanto, os editais abertos não precisam ser modificados”, conta Fonseca.

Conforme parecer da Procuradoria-Geral Federal, a implantação de políticas de ações afirmativas para ingresso na pós-graduação é de competência normativa das universidades, diante da Constituição Federal de 1988.

Além disso, pelos dados da procuradoria, a portaria 13/2016 do MEC é uma norma de orientação às universidades quanto à necessidade de implementação das ações afirmativas no âmbito dos cursos de pós-graduação.

Nesse cenário, a resolução 58/2016 da UFPB permanece “vigente, válida e aplicável”. A instituição continuará a reservar vagas de ações afirmativas nos 81 programas de pós-graduação, que abrangem 113 cursos de mestrado e doutorado nas modalidades acadêmica e profissional.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias