Quinta, 03 de Dezembro de 2020
83996891484
Saúde Covid 19

Brasil deve estocar equipamentos e preparar população para nova quarentena, diz Nicolelis

“Tem que ter um olhar global. É uma pandemia, o próprio nome já diz. Não pode fazer planejamento do Nordeste, do Brasil sem acompanhar a situação mundial. Isso é determinante para a atuação local.”

28/10/2020 08h25
634
Por: Redação Fonte: Redação
Miguel Nicolelis. Foto: Reprodução/YouTube
Miguel Nicolelis. Foto: Reprodução/YouTube

O neurocientista Miguel Nicolelis, coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, afirmou em entrevista ao Globo desta terça (20) que o Brasil deve se antecipar à segunda onda do novo coronavírus, começando a estocar medicamentos, EPIs (equipamentos de proteção individual), testes e outros insumos necessários ao enfrentamento da pandemia.

Para o cientista, também está na hora de preparar a população para a possibilidade da retomada das restrições sociais mais rígidas, como o fechamento dos serviços não essenciais.

O Brasil registra hoje 5,2 milhões de casos de Covid-19 e 154 mil mortes. Uma projeção da Universidade de Washington aponta que o País chegará a 175 mil mortes no começo de janeiro, quando a média móvel de óbitos deve cair para o patamar de 160 mortes ao dia.

Apesar da tendência de queda nos números da pandemia, Nicolelis diz que o cenário internacional é preocupante e pode afetar o Brasil. A Europa já vive uma segunda onda – a Irlanda foi o primeiro país a retomar o lockdown nesta semana – e os Estados Unidos atravessam um terceiro pico. Para Nicolelis, é preciso fechar aeroportos de novo antes que seja tarde.

“Temos que nos preparar agora. Isso significa pensar em fechar o espaço aéreo brasileiro, reabastecer de máscaras, testes, EPIs, medicamentos. Tudo que faltou no primeiro momento da nossa crise. E tem que preparar a população para a possibilidade de retorno de restrições mais rígidas como está acontecendo na França, Alemanha e Portugal”, disse.

Nicolelis lembrou que, no começo da pandemia, o Brasil sofreu por falta de equipamentos de proteção. Em entrevista ao Roda Viva, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse que não usou os agentes comunitários de saúde numa estratégia nacional para rastrear casos e conter as cadeias de transmissão do vírus justamente por falta de máscaras, testes e outros EPIs. “Isso tudo vai sumir do mercado internacional de novo”, disse Nicolelis.

Para o cientista, no Brasil as “pessoas estão contando com a vacina e não temos nada concreto ainda.”

“Eu já estou pensando no final do ano. Nas festas que, em teoria, não deveriam ocorrer. Deveriam ser coisas familiares, restritas. Se a maioria de lugares cancelou o carnaval, o réveillon é a próxima bomba relógio”, disparou.

Na Europa, a segunda onda apresenta um número de casos várias vezes mais alto do que na primeira onda, apesar da mortalidade estar reduzida.

“Tem que ter um olhar global. É uma pandemia, o próprio nome já diz. Não pode fazer planejamento do Nordeste, do Brasil sem acompanhar a situação mundial. Isso é determinante para a atuação local.”

BRIGADAS. Ainda de acordo com Nicolelis, uma das recomendações aos estados é a adoção de “brigadas emergenciais de saúde. É um grupo de profissionais de saúde que vão nas casas das pessoas para atender casos suspeitos”, conforme sugeriu o Comitê Científico do Nordeste. “No nosso último relatório, o estado que melhor se saiu nessa atuação foi o Piauí.”

Jornal GGN

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias