Terça, 12 de dezembro de 201712/12/2017
83991684562
Muito nublado
25º
28º
36º
Sousa - PB
Erro ao processar!
ESPORTES
Fase da Libertadores testa poder econômico dos clube brasileiros
Mesmo que se unissem, em vez de se enfrentarem, certamente as equipes não conseguiriam rivalizar com o Real Madrid no aspecto financeiro
Esdras Leal Trajano Sousa - PB
Postada em 03/07/2017 ás 07h53
140 acessos
Fase da Libertadores testa poder econômico dos clube brasileiros

Libertadores

Mesmo que se unissem, em vez de se enfrentarem, certamente as equipes não conseguiriam rivalizar com o Real Madrid no aspecto financeiro



Os 16 times que seguem na briga pelo título da Copa Libertadores começam a fase de oitavas de final nesta semana. O primeiro brasileiro a entrar em campo será o Grêmio, que nesta terça-feira enfrenta o Godoy Cruz, às 19h15 (de Brasília), em Mendoza, na Argentina. A luta vai durar até a decisão do título, marcada para o final de novembro. Quem ficar com o troféu leva a vaga no Mundial de Clubes da Fifa, torneio que o gigante europeu Real Madrid já tem a presença garantida.


 



Mesmo que se unissem, em vez de se enfrentarem, certamente as equipes não conseguiriam rivalizar com o Real Madrid no aspecto financeiro. O clube espanhol e o possível oponente dos sul-americanos em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, tem elenco mais valioso do que a soma de todos os plantéis dos participantes desta fase da Libertadores.


 


Segundo o site português TransferMarkt, especializado em transferências de atletas, o atual vencedor da Liga dos Campeões da Europa tem um valor de mercado do seu elenco avaliado em torno de incríveis R$ 3 bilhões. Já os 16 melhores times da América do Sul, somados, atingem pouco mais da metade desta cifra: R$ 1,9 bilhão.


 


O abismo de forças entre os continentes é o desafio para os clubes da América do Sul extrapolarem o domínio local e voltarem a conquistar o mundo. A Europa, com elencos renomados e contratações de peso, tem dominado a disputa do Mundial de Clubes da Fifa nas edições recentes. A vitória do Corinthians, em 2012, sobre o Chelsea, no Japão, foi a última vez em que o vencedor da Liga dos Campeões foi superado.


 


A possibilidade de recrutar craques com contratações caríssimas ajuda a explicar a distorção de valores entre os continentes de maior tradição no futebol. Apenas como exemplo, o português Cristiano Ronaldo vale, sozinho, R$ 368 milhões, mais do que qualquer uma das 16 equipes da Libertadores.


 


Se algum dos mais fortes times sul-americanos quiser ter o valor de mercado similar a alguma das estrelas do Real Madrid, terá que ser menos exigente. Até mesmo a segunda peça mais valiosa do clube espanhol, o galês Gareth Bale, tem valor de mercado superior ao elenco mais caro da Libertadores. São R$ 295 milhões ante R$ 269 milhões do River Plate.


 


As equipes brasileiras mais valiosas, Atlético Mineiro e Palmeiras, respectivamente, têm como paralelo mais próximo no elenco merengue dois outros titulares. O alemão Toni Kroos é o de valor mais próximo dos mineiros, enquanto que o francês Benzema é quem mais rivaliza com o atual campeão brasileiro, apesar dos mais de 10 reforços contratados para este ano.


 


"Não é desmerecer ninguém, mas em qualquer confronto, competir entre equipes sul-americanas e enfrentar equipes europeias há uma diferença imensa", disse o técnico colombiano Juan Carlos Osorio, ex-São Paulo e atualmente treinador do México.


 


A diferença financeira tem se refletido em um abismo técnico nos confrontos. Atualmente, o sonho do título mundial para os clubes da América do Sul é uma expectativa quase ingrata, pela qualidade dos adversários europeus. O retrospecto histórico nos últimos anos, inclusive, se inverteu. Antes, os encontros eram mais parelhos.


 


Durante a realização da Copa Intercontinental, entre 1960 e 2004, os times da América do Sul levaram a melhor, com 22 títulos, um a mais do que os europeus. Mas desde o início do Mundial feito pela Fifa, com a primeira edição em 2000, o equilíbrio acabou. O placar nesse novo formato está 9 a 4 para o velho continente.


 


POTÊNCIA LOCAL - No âmbito sul-americano, os clubes brasileiros estão em outro patamar na comparação aos demais países do continente, exceto a Argentina. As duas surpresas nestas oitavas de final são os bolivianos Jorge Wilstermann e The Strongest. Cada um dos elencos tem valor de mercado que equivale a cerca de 10% dos plantéis


 


O Jorge Wilstermann fará contra o Atlético Mineiro, nas oitavas de final, o confronto mais desequilibrado em temos de mercado. Todo o elenco boliviano soma cerca de R$ 13 milhões, número próximo à avaliação do TransferMarkt do valor do volante Adilson. "O futebol boliviano não se compara ao brasileiro em termos financeiros, assim como é a relação entre Brasil e Europa. Há uma grande diferença", explicou o zagueiro brasileiro Alex Silva, ex-São Paulo, que atua no Jorge Wilstermann.


 


O São Paulo contratou meses atrás o meia Thomaz, que jogava no time boliviano, por um valor irrisório para os padrões nacionais. O clube precisou pagar a multa rescisória, orçada em apenas R$ 250 mil.


 


O adversário do Palmeiras, o Barcelona, do Equador, trata com reverência o confronto. As mídias sociais do clube consideram o jogo de ida como a visita do "Colosso das Américas", assim como o presidente do clube, Francisco Cevallos, demonstrou respeito. "O Palmeiras é uma potência. É o atual campeão brasileiro, um participante assíduo da Libertadores e que tem jogadores de seleção no elenco", disse em entrevista coletiva na última semana. Com informações do Estadão Conteúdo.


 

FONTE: OPBNews com dados Estadão
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium